Deputado estadual intimida estudante de pós na UFSC

Jessé Lopes (PSL) estava na universidade para filmar os protestos dos estudantes

O deputado estadual Jessé Lopes (PSL) intimidou uma estudante de pós-graduação na UFSC hoje pela manhã. O parlamentar estava ali para filmar a barricada que foi erguida na entrada da Carvoeira do campus Trindade quando foi interpelado pela estudante, que o filmou. Ao ser questionado sobre o que faria para impedir os bloqueios no orçamento da universidade, o deputado começa a acuar a estudante, dando passos em sua direção e fazendo com que ela tivesse que andar para trás, em direção ao entulho da barricada. Em um ponto do vídeo, a mestranda chega a pedir que o deputado não a toque e pare de a empurrar, e Lopes responde perguntando “tá nervosa? não precisa tremer”.

A estudante Alessandra Almeida faz parte do programa de pós-graduação em Relações Internacionais e é membro da Associação dos Pós-Graduandos (APG), que também está em greve. Ela disse que Lopes, “ao invés de cobrar do poder público que cumpra seu dever de manter uma instituição como a UFSC e garantir o direito dos estudantes, estava aqui tentando mostrar que a universidade é um lugar de balbúrdia”.

“Quando comecei a fazer perguntas para o deputado, ele só conseguiu ir pra cima de mim, me agredir verbalmente, não me deixar falar. Ele só conseguiu ser violento verbalmente e não respondeu às minhas perguntas. Ele mostrou ao que veio, nenhuma surpresa nesse sentido.”

O deputado chegou na entrada da Caroveira do campus Trindade por volta das 9h, quando trabalhadores estavam limpando uma barricada erguida para bloquear a entrada na universidade, protesto que faz parte da greve estudantil. Segundo a Secretaria de Segurança Institucional (SSI) da UFSC, as barricadas foram incendiadas nas entradas do Pantanal e Carvoeira por volta das 8h da manhã. Os próprios agentes da SSI apagaram o fogo no Pantanal, mas na Carvoeira os bombeiros foram acionados e rapidamente extinguiram as chamas. Os restos de lixo e madeira ainda bloqueavam a via quando o deputado chegou.

O parlamentar disse que estava ali para denunciar “a balbúrdia e greve ilegal dos estudantes. É mais um dia de manifestações ilegais que infringem o direito de ir e vir das pessoas que querem trabalhar e ter aula”.

Para Alessandra, a UFSC está em um momento “de intensa precarização, com demissões de trabalhadores terceirizados e colocando em risco a permanência de diversos estudantes, pessoas que vieram do interior, pessoas que têm cor, pessoas que têm nome. Estamos pressionando para que os cortes sejam revertidos”.

No mesmo horário em que o deputado estava na UFSC, a sessão ordinária da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) estava começando. Por volta das 10h, uma hora depois do início da sessão, Lopes postou nas suas redes sociais que estava “iniciando os trabalhos na Assembleia”.

Os protestos organizados pelos estudantes em greve duraram pouco mais de uma hora na manhã de hoje. Além das barricadas no Pantanal e na Carvoeira, os grevistas bloquearam a rotatória da Trindade com mesas e cadeiras de cinco em cinco minutos. Às 10h, o trânsito já fluía normalmente.

Ataques à UFSC

Essa não é a primeira vez que o deputado entra na UFSC para atacar a universidade e o movimento estudantil. No dia 26 de setembro, Lopes entrou no Colégio de Aplicação sem autorização e postou fotos e um vídeo nas suas redes sociais atacando o colégio pela sua decisão de reduzir os turnos das aulas por conta da greve. O deputado mentiu à portaria para ganhar acesso, dizendo que representava um grupo de pais da escola. O Colégio de Aplicação divulgou uma nota repudiando a intimidação.

Victor Lacombe

Compartilhar