Votação do Orçamento pode ficar para 2020

Congresso entra em recesso no dia 23 de dezembro, mas votações terminam cinco dias antes

Presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) disse ao jornal Valor Econômico que o Legislativo terá dificuldades para conseguir votar o Orçamento este ano. “O cronograma está apertadíssimo. Não pode ter mais nenhuma falta, nenhum erro para votar ainda este ano”, apontou.

Com pendências tanto na CMO quanto no plenário do Congresso, Castro reconhece a possibilidade de o Orçamento ser chancelado pelo Legislativo apenas no próximo ano – o Congresso entra oficialmente em recesso a partir do dia 23 de dezembro, mas as votações devem ir, no máximo, até o dia 18. “Não é bom para o país não votar o Orçamento. É uma sinalização ruim ao mercado”.

O colegiado vota nesta terça-feira (3) o relatório das receitas da União para 2020. Também será apresentado um parecer preliminar do Orçamento, para recepção de emendas, diz Castro. “Aí é tentar votar tudo, sem falta, até a manhã do dia 17 e ver se é possível o Congresso se reunir no mesmo dia e aprovar”, pontuou o presidente da CMO.

Leia na íntegra: Valor Econômico

Compartilhar