Ao lado de Moro, Weintraub anuncia programa de pesquisa em segurança pública

Nova linha da Capes deve receber R$ 10,1 milhões em bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, divulgou um vídeo em suas redes sociais, ao lado do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, anunciando uma “nova linha de pesquisa” da Capes focada em segurança pública. Serão R$ 10,1 milhões investidos em bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado.

A divulgação, feita nesta quarta-feira (08), mostra Moro desconfortável em alguns momentos, evitando contato visual com Weintraub e com olhar para baixo durante boa parte do tempo. No Twitter, no entanto, o Ministro da Justiça mostrou mais interesse no novo programa.

“Hoje nós temos – é 1 pouco clichê dizer isso– 1 admirável mundo novo, que existe uma série de tecnologias sendo desenvolvidas que são importantes para a área da segurança pública, e nós precisamos de mais estudos sobre segurança pública, em particular sobre o emprego dessas novas tecnologias, como nós podemos utilizá-las”, publicou ele na rede social.

O trabalho envolverá os 2 ministérios, a Polícia Federal, a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), a Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas) e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Do total do orçamento reservado para o programa, R$ 6 milhões serão financiados pela Senasp ao longo de 4 anos (R$ 1,5 milhão por ano), R$ 2,1 milhões pela Polícia Federal e outros R$ 2 milhões pela Capes.

Segundo Weintraub, “com certeza” terá mais de 100 vagas, podendo chegar a até 200 bolsas. “(Estamos) devolvendo para as famílias brasileiras os impostos que elas pagam para melhorar a segurança pública. Não tinha essa linha de pesquisa, vocês acreditam nisso?”, afirmou ele em tom de ironia.

Como vai funcionar

A partir da publicação de edital, que sairá nas próximas semanas, coordenadores de cursos de mestrado, doutorado e pós-doutorado de programas já existentes na Capes poderão inscrever projetos para defesa de teses científicas.

A seleção será feita por consultores da Capes. A autarquia fará também, em conjunto com a Polícia Federal, a avaliação dos resultados dos estudos. Cada projeto poderá permanecer em pesquisa por até 5 anos. A iniciativa é voltada para universidades públicas, federais e estaduais, e também instituições privadas.

A Capes disponibilizará o acesso ao Portal de Periódicos, uma espécie de biblioteca virtual, para os pesquisadores. Já a PF dará acesso a dados estatísticos do órgão e a laboratórios físicos já utilizados durante as atividades policiais.

Leia: Brasil 247 e Poder 360

Compartilhar