18 de março: entidades sugerem formas alternativas de mobilização

Proifes pede que sindicatos atentem para orientações da OMS; CNTE propõe manifestação virtual

O Proifes Federação destacou em nota que apoia todas as deliberações de seus sindicatos federados referentes às mobilizações para o dia 18 de março, pautadas na defesa da educação pública, dos serviços públicos e da democracia. Contudo, ressaltou que, por conta da pandemia do COVID-19, os sindicatos federados devem atentar para as orientações da Organização  Mundial de Saúde (OMS) e evitar atos com aglomeração de pessoas.

“Sendo assim, por respeito à saúde pública, sugerimos que os sindicatos que deliberaram por paralisar as atividades docentes no dia 18 de março, realizem atividades de mobilização alternativas, sempre de forma a conscientizar a população com a verdade sobre os atos de desmonte do sistema de universidades e institutos federais”, diz um trecho da nota do Proifes.

A Confederação   Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) divulgou uma nota chamando professores, estudantes e pais de alunos a participar de uma mobilização pelas redes sociais em defesa da Educação e dos serviços públicos no dia 18 de março.

Confira um trecho da nota da CNTE:


Apesar de suspender as atividades de rua no próximo dia 18, a CNTE orienta seus sindicatos filiados, os/as trabalhadores/as em educação, estudantes, pais e mães, além de toda a sociedade brasileira, a se unirem numa grande MOBILIZAÇÃO VIRTUAL contra as desmedidas do atual governo, que atentam contra o patrimônio e os serviços públicos do Brasil, entre os quais, a educação pública.

Os sucessivos cortes nos orçamentos das universidades e institutos federais, na pesquisa acadêmica, na saúde e assistência social comprometem a qualidade de vida da população, negam o futuro promissor às novas gerações e colocam o país em situação de insegurança generalizada em diversas áreas, inclusive para combater epidemias e pandemias como as que estamos a presenciar neste momento.

CNTE/Proifes


Compartilhar