MEC ignora resultado de eleição para reitoria no IFSC e nomeia interventor

Indicado pelo ministério, Lucas Dominguini não havia participado do processo eleitoral

O Ministério da Educação (MEC) publicou no Diário Oficial da União desta segunda-feira (20) uma portaria em que nomeia um reitor temporário para o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) em vez do reitor eleito.

O nome indicado pelo MEC para reitor pro tempore foi o do professor Lucas Dominguini, que até então ocupava o cargo de diretor do IFSC de Criciúma. Dominguini não chegou a participar do processo eleitoral e, em entrevista à Rádio CBN Diário, disse que foi surpreendido pela portaria do MEC e rejeita nomeação.

 A nomeação é assinada pelo Ministro da Educação, Abraham Weintraub, na portaria nº 406. 

A escolha de um reitor temporário surpreendeu também a comunidade acadêmica, já que no ano passado a eleição para reitor do instituto teve como vencedor o professor Maurício Gariba Júnior, que aguardava a nomeação. 

Maurício, que é ex-diretor do campus de Florianópolis, foi eleito reitor do IFSC para exercer o mandato 2020-2024 em dezembro do ano passado, ao vencer o professor André Dala Possa em segundo turno com 36,29% dos votos. Ele foi escolhido para substituir a reitora Maria Clara Kaschny Schneider, cujo mandato terminou no sábado (18).

A eleição teve a participação de alunos, professores e servidores técnico-administrativos dos 22 campi e da reitoria, somando 8.270 votos.

De acordo com o professor Maurício Gariba Júnior, não há informação sobre os motivos que levaram à escolha de um reitor temporário por parte do MEC. “Nos surpreende o fato de termos um reitor pro tempore. Diferentemente do que ocorre nas eleições nas universidades federais, nós não temos lista tríplice, a comissão eleitoral encaminha ao MEC apenas um nome, o do vencedor. O professor que está assumindo não participou do processo eletivo”, afirmou o reitor eleito.

Maurício Gariba Júnior também afirmou que o sentimento é de frustração, e disse que sua equipe está avaliando possíveis medidas após a manifestação do MEC.

No final da manhã desta segunda-feira, todos os pró-reitores da instituição e a diretora executiva da gestão de Maria Clara encaminharam à Chefia de Gabinete do IFSC pedido coletivo de exoneração de seus cargos. O IFSC tem cinco pró-reitorias (Administração, Extensão e Relações Externas, Pesquisa, Desenvolvimento Institucional e Ensino), mais o cargo de Diretor Executivo.

Leia na íntegra: NSC Total

Compartilhar