Opiniões

A verdade sobre o orçamento do Brasil

Rosendo A. Yunes

20.maio | 2019

Pesquisando sobre a verdade das rubricas nas quais os governos aplicam o dinheiro do povo - nosso dinheiro - não do governo, que é apenas o administrador de nossa produção de riquezas, encontrei uma pesquisa no Google que demonstra onde foi aplicado esse dinheiro entre 2016 e 2018:

A realidade em números: na previdência social 22,01% e em juros de amortizações da dívida 45,05%,ou sejam um pouco mais do dobro da previdência.

A pergunta lógica agora é: por que este aparente “corajoso” governo não luta por uma redução dos juros e não contra a previdência dos mais pobres: anciãos, trabalhadores rurais, etc.? O Brasil foi e é o paraíso dos bancos, como explicou a CNBB. Aqui ganham bilhões de dólares.

Quando nos aprofundamos na análise observamos que para a ciência e tecnologia sua rubrica é de 0,32%. Só o poder legislativo federal tem uma rubrica de 0,36%.  Lamentável para um país em desenvolvimento que precisa inovar, criar indústrias, fortalecer suas estruturas de transformação social. Na mesma linha está a educação com 2,99%, cultura com 0,04% e indústria com 0,1 %.

Em saúde, algo fundamental para qualquer país, a aplicação é de 4,07%.  E na assistência social 2,85%.

Como é possível que quase a metade do orçamento nacional seja para pagar juros e amortizações da dívida?  Alguns economistas escrevem que se fora realizada uma auditoria da dívida ela seria reduzida num 70%, como foi no caso da dívida da Argentina onde o presidente Kirchner reduziu num 70% em 2003.

No entanto, os bancos são muito poderosos e além disso são os que “doam” enormes somas de dinheiro para as propagandas eleitorais, para o caixa 2 dos partidos políticos, etc. Por isso os governos falam que é muito complicado o problema dos juros e não desejam, mostrar a “verdade” do problema.

Com aproximadamente R$ 3 trilhões de dívida interna e R$ 400 bilhões em dívida externa o Brasil praticamente concede parte de sua soberania como é observado no caso do pré-sal onde a Petrobras devia participar com um 30% em qualquer exploração e que o presidente, gerado por um golpe, liberou para as multinacionais.

Por isto é necessário apoiar a Auditoria cidadã da dívida, que deseja realizar o mesmo que conseguiram em Equador de 2007 e 2008. Governado por Rafael Correa, agora perseguido em seu país, como todos os que defendem a verdade,  o Equador conseguiu reduzir a dívida em 30%, e sem nenhum protesto dos Bancos.

Como a verdade é o principal objetivo das pesquisas em qualquer área do conhecimento, e como a verdade molesta aos poderosos que pelo geral não são transparentes e molesta muito este governo, o mesmo persegue as universidades, a filosofia e sociologia que poderiam demonstrar que outro Brasil é possível. Um Brasil inclusivo, mais fraterno, gerador de empregos genuínos em base a seu desenvolvimento cientifico-tecnológico.

Podemos ficar tranquilos, a verdade triunfará, a verdade nos fará livres, porque a verdade significa igualmente justiça, transparência, honestidade. Vamos construir um Brasil onde todas as famílias possam ter Terra, Trabalho e Teto. Um Brasil que seja exemplo no mundo de uma potência onde não existam oprimidos, humilhados, descartados e excluídos por serem diferentes.   
 

O princípio que rege a publicação de artigos nesta seção Opiniões é o da plena liberdade de expressão dos professores, de forma a garantir um canal que expresse a pluralidade ideológica dos filiados à Apufsc-Sindical. Fica claro que as opiniões expressas nos textos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, e que a entidade e sua diretoria não se responsabilizam pelo conteúdo. Eventuais consequências decorrentes da violação da lei ou da imagem de pessoas citadas nos textos, bem como casos de calúnia, difamação ou injúria, serão assumidas exclusivamente pelos autores que os subscreveram.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 99925-1735 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb