SBPC emite nota pública em protesto ao desmanche da Capes

Nesta quinta (5), presidente do órgão de fomento à pesquisa nomeou a própria aluna de doutorado para a diretoria de Relações Internacionais da CAPES

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) emitiu uma nota pública em que trata do desmanche da estrutura da Capes. Nesta semana, a presidente do órgão, Claudia Mansani Queda de Toledo, nomeou para a diretoria de Relações Internacionais Lívia Pelli Palumbo, uma advogada e professora que ainda nem terminou o doutorado. A nova diretora é orientanda de Claudia na pós-graduação no Centro Universitário de Bauru, instituição de ensino que é da família da presidente da Capes e onde também estudou o ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro.

Em nota, a SBPC destaca que a CAPES desempenha um papel fundamental no crescimento científico e tecnológico do país. A nota expõe que a nova diretora de Relações Internacionais não concluiu sua formação acadêmica , como também não possui qualquer experiência em coordenação de redes de colaboração internacional ou outra distinção que a credenciem para o cargo. “Isto é particularmente preocupante para o período que passamos, que demanda para a DRI um perfil de liderança com grande experiência acadêmica para rearticular as redes e os projetos institucionais de internacionalização da pesquisa científica do Brasil”. Para a SBPC, os “alicerces do sistema responsável pela formação de recursos humanos de alto nível e pela tão propalada inserção internacional de nossos pesquisadores estão, claramente, abalados”.

A SBPC ressalta a preocupação com a nova nomeação, destacando que a CAPES é responsável pela alta qualidade de nossos programas de pós- graduação e “precisa ter na direção de suas atividades-fim pessoas que não apenas atendam os requisitos de lei, mas também com a legitimidade conferida por uma formação qualificada e uma autoridade na pesquisa”.

Compartilhar