Reformas ficarão para depois das eleições, diz líder do Governo na Câmara

Portal Que Estado Queremos? destaca os pontos principais da entrevista de Ricardo Barros ao Poder 360

Em entrevista ao Poder 360, o líder do Governo na Câmara dos Deputados, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que as propostas de reforma da gestão Bolsonaro, tais como a Administrativa e a Tributária, deverão ficar para depois das eleições de 2022 devido às “dificuldades de posicionamento” durante este período: “o interesse eleitoral supera o interesse pelo Brasil, e, aí alguns partidos deixam de fazer o que é o certo para fazer o que é conveniente eleitoralmente“, afirmou Barros. 

Segundo o parlamentar, a PEC 32/2020 provavelmente seguirá tramitando após o ano eleitoral; já sobre a Tributária, disse que a proposta mexe com a arrecadação dos Estados e municípios e que isso dificulta qualquer debate no período das eleições. O deputado também listou vitórias consideradas importantes pelo governo em 2021: a independência do Banco Central, a capitalização da Eletrobras, medidas provisórias que destinaram recursos para a compra de vacinas e o Pronampe. 

Ao ser questionado sobre a economia do país, com alta de desemprego e recessão técnica, por exemplo, o congressista disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem um “bom plano” para o país que “que lamentavelmente, em função da pandemia, não pôde ser implementado“.

Leia na íntegra: Poder 360 e no portal Que Estado Queremos?

Compartilhar