Ministro da Educação afirma no Twitter que não haverá cobrança na graduação

Abraham Weintraub usou a rede social para contestar as reações provocadas pelo projeto de reestruturação do ensino superior que será apresentado nesta semana pelo governo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou em sua página no Twitter,  no domingo,  que as universidades federais continuarão públicas e que os estudantes não pagarão pela graduação, assim como é hoje. A manifestação do ministro ocorreu depois da repercussão, na imprensa e nas redes sociais,  do anúncio de um programa do governo que prevê redução de recursos no orçamento das universidades, cobrança de mensalidades e flexibilização no modelo atual de gestão.

Weintraub  publicou duas mensagens no Twitter. Na primeira delas disse: “Temos apresentado ações para educação básica, novo Fundeb, alfabetização, Enem eletrônico, etc. Dia 17 apresentaremos a reformulação das univ. federais, que continuarão públicas e os estudantes NÃO pagarão pela graduação/como hoje. Haverá mais liberdade para pesquisa e trabalho!”

Numa segunda publicação, o ministro escreveu: “Não há privatização alguma! Teremos um modelo moderno, que nos aproximará da Europa, Canadá, Israel, Austrália, EUA, etc. A adesão das universidades será voluntária, permitindo separar o joio do trigo…as que quiserem ficar no atual modelo, poderão ficar…”

Na semana passada, o Ministério da Educação (MEC)  se manifestou pela primeira vez sobre o projeto, chamado de Future-se,  em entrevista ao Valor Econômico. Uma reunião foi anunciada para esta quinta-feira (18) , com a convocação de reitores e pró-reitores das universidades  federais, para a apresentação formal do projeto. Na segunda mensagem publicada ontem, Weintraub diz que a apresentação do projeto será na quarta-feira (17).

Leia mais em: Folha de SPTwitter


M.B./L.L.

 

 

 

Compartilhar