UFSC aciona Fórum Parlamentar Catarinense para desbloqueio de verbas e recomposição do orçamento 2020

Assessor institucional da reitoria, Gelson Albuquerque, também  pediu a criação de emenda parlamentar para implantação dos cursos medicina em Araranguá e Curitibanos

Representantes da administração central da UFSC se reuniram na segunda-feira (9) com integrantes do Fórum Parlamentar Catarinense, na Alesc, e apresentaram um ofício onde expressam os seguintes pedidos “urgentes e inadiáveis”:

1 – A liberação da parte do MEC dos recursos bloqueados a fim de que seja possível retomar as ações objeto de medidas restritivas e a continuidade do semestre letivo num ambiente de plena normalidaded+

2 – A defesa, pela Bancada Catarinense, da aprovação da Lei Orçamentária para 2020, com, no mínimo, a preservação dos recursos previstos para o exercício de 2019, sem qualquer contingenciamentod+

3 – A concessão de emendas individuais ou de bancada, de caráter impositivo, que permitam a execução de projetos particularmente voltados aos cursos de Medicina na UFSC, em Araranguá e Curitibanos, com inegáveis impactos nas macrorregiões às quais estão vinculados esses municípios.

 

O Fórum Parlamentar Catarinense reúne 16 deputados federais e três senadores. O assessor institucional do Gabinete da Reitoria, Gelson Albuquerque, apresentou aos parlamentares os números atuais da instituição e a necessidade de apoio dos parlamentares para a recomposição do orçamento deste ano e para 2020.

“Nós temos um orçamento em 2019 que é praticamente o mesmo executado em 2009, mas quero lembrar que nós não tínhamos ainda nenhum campi instalado, os quatro campi vieram depois. É pouco provável que a gente consiga dar conta das atividades. Estamos pedindo ao Fórum Parlamentar que se empenhe pela liberação dos recursos contingenciados. Estamos com laboratórios que estão sendo fechados porque não estão com condições de se manter”, afirmou Albuquerque.

 

O assessor institucional da reitoria  também  pediu a criação de uma emenda parlamentar estruturante para a conclusão da estrutura do curso de medicina em Araranguá, e para estabelecer o curso de medicina de Curitibanos. Além de Gelson Albuquerque participaram da reunião os seguintes representantes da UFSC: Aureo Mafra de Moraes, chefe de Gabinete da Reitoriad+ Pedro Manique, pró-reitor de Assuntos Estudantisd+ Vladimir Arthur Fey, pró-reitor de Planejamento e Orçamento.

 

A reitora em exercício, Alacoque Lorenzini Erdmann, entregou aos parlamentares um Ofício com os três pedidos “urgentes e inadiáveis”.  Confira um trecho:

 

“Como é de conhecimento público, as instituições federais de ensino superior em geral e, em particular, a nossa UFSC, passam por um momento bastante delicado e grave com relação especialmente ao seu financiamento. Referimo-nos às medidas de restrição orçamentária adotadas no âmbito do Ministério da Economia e repassadas pelo Ministério da Educação, que implicaram, somente no caso da UFSC, em um bloqueio de 30% (trinta por cento) nas despesas de custeio no presente exercício. Em números absolutos, tal corte implica em R$ 43.000.000,00 (quarenta e três milhões de reais) que não temos autorização para executar até o final de 2019.”

 

Leia mais : Notícias UFSC


 

Compartilhar