“Nas universidades brasileiras se faz de tudo, menos estudar”, diz Bolsonaro

Presidente voltou a criticar universidades ao participar do lançamento  de um programa de infraestrutura em Tocantins na quinta-feira (12)

Com agenda em Brasília, Palmas, Rio e em dia de sua tradicional “live” no Facebook o presidente Jair Bolsonaro reforçou aspectos conservadores em costumes e liberais na economia, que tem marcado seu governo desde a posse. O presidente disse que “nas universidades brasileiras se faz de tudo, menos estudar”, ao participar do lançamento de um programa do governo do Tocantins, em Palmas, ocasião em que frisou que “a família, como está na Constituição, é o homem e a mulher. O Estado pode ser laico, mas eu sou cristão”.

Bolsonaro presenciou a assinatura de um empréstimo de R$ 545 milhões do governador Mauro Carlesse (DEM) com a Caixa Econômica Federal para projetos de infraestrutura. Na mesma ocasião, descartou intervenção no preço da carne. “O preço da carne está alto e todos estão reclamando, mas temos que respeitar o livre mercado. A China está comprando uma grande quantidade do produto e eu não vou tabelar.”

O presidente voltou a lançar mão do discurso moralizador ao afirmar que pretende torturar algum ministro que se envolva em atos de corrupção: “Se aparecer [corrupção], boto no pau de arara o ministro. Se ele tiver responsabilidade, obviamente. Porque, às vezes, lá na ponta da linha, está um assessor fazendo besteira sem a gente saber. Não é isso? É obrigação nossa, é dever.”

Antes, ainda em Brasília, na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro despistou a imprensa, ironizando a informação, passada por ele mesmo anteontem, de que fez uma biópsia para identificar um possível câncer de pele. “Como estou com câncer, não vou poder atender vocês”, disse.

Segundo nota da Presidência da República, o presidente retirou uma lesão verrucosa na face e na orelha, “além de crioterapia em lesões no tórax e no antebraço, provocadas pelo excesso de exposição solar”. À noite, ao transmitir a ‘live’ no Facebook, Bolsonaro classificou de “fake news” a notícia de que estaria com câncer. “É mentira em cima de mentira. Lamentavelmente, grande parte da nossa mídia se presta a isso”, disso.

Valor Econômico

Compartilhar