Entenda as recomendações de isolamento durante a crise de coronavírus

Estadão reuniu perguntas e respostas que podem ajudar na quarentena

O isolamento social está entre as medidas adotadas para combater a propagação do novo coronavírus. Diferentes modelos foram citados, como horizontal e vertical. Quem está com sintomas leves da doença pode não precisar de internação e ficar em casa, desde que respeite regras para evitar a infecção dos demais moradores.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, chegou a afirmar que a forma de paralisação deve ser analisada em cada cidade e Estado do País. Já o presidente Jair Bolsonaro passou a defender medidas apenas para pessoas que fazem parte do grupo de risco, sobretudo idosos e pacientes com doenças crônicas.

O ‘Estado’ levantou dúvidas com base em questões enviadas por leitores do grupo EstadãoInforma: Coronavírus, espaço para discussão e troca de informações sobre a pandemia criado pelo jornal no Facebook. As respostas têm como base entrevistas com Igor Bastos Polonio, médico pneumologista; Ligia Brito, clínica-geral e infectologista do Hospital Edmundo Vasconcelos; e também reportagens do ‘Estado’ e informações do Ministério da Saúde.

Confira algumas das perguntas feitas:

Por que há recomendação para isolamento durante a pandemia?

O vírus é transmitido de pessoa a pessoa por gotículas de pacientes infectados. Pessoas com sintomas leves da doença podem transmiti-la ao continuar frequentando locais de grande aglomeração, ambientes de trabalho e locais de lazer. Ao fazer o isolamento, a meta é “achatar a curva” de crescimento da doença. Essa estratégia faz com que não haja uma explosão de casos em um curto período de tempo, o que sobrecarrega o sistema de saúde.

O que é isolamento horizontal? E o vertical?

No horizontal, todas as pessoas devem fazer o isolamento social, mesmo quem não corre maior risco de ter complicações com a doença, como jovens. Isso porque essas pessoas, ao serem infectadas, podem transmitir o novo coronavírus para pessoas que fazem parte do grupo de risco. No vertical, há isolamento apenas das pessoas que fazem parte do grupo de risco para a doença. No caso da covid-19, idosos e pessoas com doenças crônicas, como diabete, hipertensão, insuficiência cardíaca e insuficiência renal, por exemplo, têm mais possibilidade de evoluir para as formas graves do novo coronavírus.

O que deve ser feito com os objetos pessoais de quem está com o coronavírus?

Talheres e roupas não devem ser compartilhados. Assim como toalhas e roupas de cama devem ser lavados separadamente. No caso da louça, uma esponja deve ser usada só para os utensílios do paciente.

Estou fazendo isolamento social. Posso visitar meus parentes idosos ou com doenças crônicas?

O ideal é não fazer visitas, pois essas pessoas podem evoluir para as formas graves da doença. Mas é possível ajudá-las a comprar alimentos e remédios, deixando os itens em suas casas ou contratando serviço de entrega. O uso de ferramentas de comunicação virtual pode ajudar.

O conteúdo está disponível gratuitamente no site do Estadão.

Leia na íntegra: Estadão

Compartilhar