Pregão de ônibus escolares com suspeita de sobrepreço ocorre hoje na mira do TCU

Na segunda-feira, Ministério Público junto ao Tribunal de Contas pediu a suspensão da licitação, informa o Estadão

Com preços inflados, a licitação do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para a compra de quase 4 mil ônibus rurais escolares está marcada para a manhã desta terça-feira, 5, sob a mira do Tribunal de Contas da União (TCU).

O ministro Walton Alencar Rodrigues deve dar um despacho ainda nesta manhã, após o Ministério Público junto ao TCU solicitar a suspensão do pregão, pedido feito também por uma série de parlamentares.

Segundo fontes no TCU, Walton tenderia a determinar o embargo do resultado da concorrência até a análise do TCU sobre o processo. A área técnica entende que é necessário obter mais informações do FNDE.

Como o Estadão revelou, há risco de sobrepreço de até R$ 732 milhões na licitação, reconhecido pela área técnica do FNDE, pela Procuradoria Federal e pela Controladoria-Geral da União, mas isso não impediu que homens de confiança do ministro Ciro Nogueira e do presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que comandam o fundo educacional, dessem sinal verde para a concorrência.

“O fato descrito é grave e envolve a possibilidade do desvio de assombrosa importância em dinheiro. Mais de R$ 730 milhões em prejuízo ao erário, que podem se converter além disso em prejuízo à democracia, a depender da destinação que esses recursos venham a ter, como, por exemplo, a composição do chamado ‘caixa 2 de campanha’”, escreveu o procurador Lucas Rocha Furtado na representação que protocolou ontem no Tribunal pedindo suspensão do pregão 2/2022 do FNDE.

Leia na íntegra: Estadão

Compartilhar