Sem dinheiro, previsão é funcionar até setembro, diz secretário de Planejamento da UFSC

Reuniões em Brasília com o MEC não trataram do contigenciamento

Em reuniões com o Ministério da Educação em Brasília, o secretário de planejamento da UFSC, Vladimir Fey, disse que não foram dadas informações a respeito de liberação de verbas para o segudo semestre de 2019. Se o contingenciamento de recursos se mantiver, a UFSC só vai funcionar até setembro, de acordo com Fey. Os reitores e pró-reitores foram chamados à capital federal para a apresentação do programa Future-se de reestruturação das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES).

“Vou sair de Brasília sem saber como fica o orçamento”, disse Fey. “A previsão é a mesma de antes: temos recursos para funcionar até agosto, meados de setembro. Isso não é um cenário só da UFSC, é de várias IFES.”

O secretário também falou sobre o Future-se. “Tudo a respeito desse programa é muito incerto. O MEC não apresentou nenhum documento para que a gente possa fazer análise e omitir opinião, e uma apresentação de PowerPoint é algo muito simplório para uma iniciativa desse tamanho”, afirmou.

Entretanto, a maioria das ações propostas pelo Ministério já são desenvolvidas, diz Fey. “Inovação, empreendedorismo, tudo isso as universidades já fazem. O que falta são os recursos para desenvolver.” Também há dúvida em relação às Organizações Sociais que fariam a gestão de parte das universidades. “É importante entender que as IFES têm tamanhos diferentes, estão em realidades diferentes e isso tem que ser respeitado.”

Entre as dificuldades que o contingenciamento de recursos impõe à UFSC está o funcionamento do Restaurante Universitário (RU). A administração do RU emitiu uma nota na semana passada pedindo que os estudantes evitem almoçar lá durante o recesso, e anunciou hoje o fechamento do restaurante para manutenção até dia 31 de julho. O transporte de estudantes até o RU do Centro de Ciências Agrárias (CCA) não será realizado por falta de recursos.

Victor Lacombe

Compartilhar