UFSC e Prefeitura de Florianópolis avançam em parceria no combate à Covid-19

A universidade poderá ceder ultrafreezers e espaço físico para investigadores epidemiológicos

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) identificou até o momento pelo menos cinco ultrafreezers, com capacidade total de quase dois mil litros, que poderão ser cedidos à Prefeitura de Florianópolis para armazenamento de vacinas contra o novo coronavírus. A informação foi transmitida na última sexta-feira, 8 de janeiro, durante reunião virtual entre representantes da Universidade e da Secretaria Municipal de Saúde. No encontro ficou decidido que integrantes da Secretaria farão uma visita presencial aos locais onde estão instalados os equipamentos na próxima terça-feira, dia 12.

Essa foi a primeira reunião para acertar detalhes da parceria entre a UFSC e a Prefeitura de Florianópolis em ações de combate à pandemia de Covid-19. Participaram, pela UFSC, a pró-reitora de Pesquisa em exercício, Maique Weber Biavatti e o chefe de gabinete da Reitoria, Áureo Mafra de Moraes. O secretário-adjunto de Saúde, Sandro Andretti, a diretora de Vigilância em Saúde, Priscilla Valler dos Santos e a gerente de Vigilância Epidemiológica, Ana Vidor, representaram a Prefeitura.

No início do encontro, Áureo de Moraes lembrou que em março de 2020, logo após a suspensão das atividades presenciais na UFSC, a Universidade enviou ofício às prefeituras das cidades onde tem campi colocando a estrutura da instituição à disposição dos governos municipais. Em Florianópolis foram desenvolvidas ações em parceria com a municipalidade, como a abertura de espaço para vacinação contra a gripe e, mais recentemente, a instalação de um ponto de testagem de Covid-19.

Ao responder questionamento sobre qual seria a capacidade de armazenagem de vacinas que exigem conservação em temperaturas ultrabaixas, a professora Maique Biavatti informou que foram localizados até o momento quatro freezers de 374 litros e um equipamento de 483 litros. Essa capacidade de armazenamento poderá ser ainda maior, a depender da resposta do Centro de Ciências Agrárias, que possui um freezer, e da verificação de funcionamento de um equipamento de 374 litros que está desligado há mais de um ano.

A diretora de Vigilância em Saúde da SMS questionou sobre as condições de segurança para utilização desses equipamentos para armazenar vacinas. De acordo com Áureo de Moraes, nesse caso será necessário elaborar um novo esquema de segurança, envolvendo o serviço de segurança da Universidade, a Polícia Militar e a Guarda Municipal, podendo incluir a Polícia Federal.

Outra preocupação dos gestores da Secretaria Municipal de Saúde foi quanto ao fornecimento de energia elétrica para os ultrafreezers. Alguns desses equipamentos são ligados a circuitos equipados com geradores, segundo Maique Biavatti. O secretário-adjunto de Saúde afirmou que a Secretaria dispõe de contratos com equipes de manutenção que poderiam ajudar na vistoria e adequação das instalações. A gerente de Vigilância Epidemiológica, Ana Vidor, lembrou que é preciso definir os detalhes práticos da parceria, a exemplo de como se dará o acesso às instalações. Todos essas questões deverão ser definidas a partir da reunião da próxima terça-feira.

Computadores
Em relação ao outro pedido da Secretaria – a cessão de uma sala equipada com computadores para uma equipe de 50 investigadores epidemiológicos -, o chefe de gabinete da Reitoria informou que a UFSC poderá disponibilizar espaço no prédio que hoje abriga a TV UFSC e a Secretaria de Educação a Distância (Sead). O prédio está localizado na área central de Florianópolis e atualmente tem salas não utilizadas.

De acordo com Áureo de Moraes, os espaços hoje disponíveis no prédio não seriam impactados mesmo com a retomada das aulas presenciais. Ele afirmou que é necessário fazer uma averiguação das instalações físicas e dos equipamentos disponíveis no prédio, lembrando que alguns computadores que estavam ociosos foram emprestados a alunos para viabilizar as aulas em modo remoto.

Fonte: Notícias UFSC

Compartilhar