Covid-19: Como será a vacinação nas principais cidades de SC

Matéria do ND mostra como será a fase inicial da vacinação; Estado aguarda a chegada das vacinas para distribuição das doses de acordo com a demanda dos municípios

Com a aprovação emergencial da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial da vacina Coronavac contra a Covid-19, Santa Catarina se prepara para receber as primeiras doses. A aprovação ocorreu neste domingo (17), em São Paulo. A enfermeira Mônica Calazans foi a primeira a ser vacinada no país.

O ministro da saúde Eduardo Pazuello informou que a distribuição das doses da vacina inicia às 7h desta segunda-feira (18) e a vacinação começa na quarta-feira (20), às 10h, dependendo da logística de cada Estado.

Segundo Pazuello, a aprovação emergencial foi para as vacinas importadas, não para as produzidas no Brasil. Portanto, não estão aprovadas as vacinas produzidas pelo Butantan no Brasil, apenas as importadas.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas,  informou que 4.636.936 doses serão destinadas  ao centro de logística do Ministério da Saúde e depois serão endereçadas aos Estados.

Estado enviará doses em até 24 horas

O governador Carlos Moisés reforçou na tarde de sexta-feira (15) que Santa Catarina está preparada para iniciar a imunização dos catarinenses contra a Covid-19 assim que receber as doses do Ministério da Saúde.

O chefe do Executivo estadual destacou que, a partir do momento da chegada dos vacinas, elas serão enviadas a todos os municípios catarinenses em até 24 horas.

Florianópolis pretende vacinar 40 mil pessoas de imediato

Na capital de Santa Catarina, a estimativa é que 40 mil pessoas, entre idosos em asilos e profissionais da Saúde, estejam na linha prioritária de vacinação.

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, pede calma já que o cronograma terá que funcionar diretamente a partir das remessas do governo federal.

Gean lembrou ainda que, também por isso, os municípios terão que “pressionar” o governo federal para que cumpra com os prazos e remessas.

De acordo com Loureiro o número de doses repassadas precisa ser o dobro do número de vacinados. Por exemplo, em caso de Florianópolis receber 10 mil doses inicialmente, 5 mil pessoas serão vacinadas. Trata-se de uma determinação já que a primeira dose é aplicada para que, 30 dias depois, uma nova aplicação aconteça.

Gean Loureiro, também por isso, fez questão de enaltecer a organização necessária de cada município para a aplicação dos imunizantes.

Leia na íntegra: ND

Compartilhar