Covid-19: pesquisa da Comissão de saúde psicológica da UFSC busca identificar os efeitos da pandemia na vida da comunidade acadêmica

Para coletar as informações, a comissão criou um questionário on-line destinado a discentes, técnico-administrativos, terceirizados e docentes

A pandemia do novo coronavírus impôs mudanças e restrições na rotina da maioria das pessoas ao redor do mundo. O isolamento social e as incertezas que permeiam o período podem impactar também o psicológico da população. Pensando nisso, a Comissão Permanente de Monitoramento da Saúde Psicológica Universitária – Covid-19 da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está realizando uma pesquisa com o objetivo de identificar como o surto da doença afetou ou alterou a vida da comunidade universitária.

Para coletar as informações, a comissão criou um questionário on-line, baseado no já usado e validado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre saúde mental e estilos de vida antes e durante a situação pandêmica.

::: Acesse o questionário em:  https://forms.gle/KbF2Rrv7i42bsb6i9

As perguntas são relacionadas aos hábitos de fumar, consumo de bebidas alcoólicas, práticas de atividades físicas, lazer e alimentação, e são destinadas à toda população interna da instituição: estudantes de graduação e pós-graduação, técnico-administrativos, pessoal de serviços terceirizados e docentes. 

Além dos hábitos pessoais, a pesquisa busca apurar também as transformações das condições de trabalho e estudo, e seus impactos. Os dados colhidos servirão de base para o planejamento e articulação de ações da UFSC de prevenção, promoção e cuidado em saúde junto à comunidade acadêmica. “A ideia é que a gente estabeleça uma articulação entre projetos que já existem, ou que a gente estimule a organização de novos projetos em função de necessidades específicas que vamos levantar com essa pesquisa, e que precisamos intervir”, ressalta a professora Daniela Ribeiro Schneider, responsável pelo estudo.

Segundo Schneider, os resultados da pesquisa devem mobilizar ações com a colaboração de diferentes setores da universidade. É o caso de parcerias com departamentos e professores que já desenvolvem trabalhos na área, e organizações ligadas aos estudantes, docentes e servidores. 

“Estamos muito contentes com a resposta que a comunidade tem dado a essa pesquisa, porque isso vai realmente nos fornecer muitos elementos para a gente pensar as nossas condições de trabalho, as nossas condições de relação, e como estamos lidando com toda essa situação da pandemia”, conclui.  

A Comissão Permanente de Monitoramento da Saúde Psicológica Universitária – Covid-19 foi criada em dezembro de 2020, como parte do Comitê de Combate à Pandemia da UFSC. Para divulgar suas ações, o grupo composto por cerca de dez pessoas criou a página AcolheUFSC, que ainda está em construção e contará com informações sobre serviços de psicologia.

Assim como a Schneider, participam da comissão mais nove pessoas: Ana Lúcia Mandelli de Marsillac, psicóloga (Departamento de Psicologia); Cor Mariae Lima, médica do trabalho (Departamento de Atenção à Saúde); Denise Cord, psicóloga (Departamento de Psicologia); Francis Solange Vieira Tourinho, enfermeira (Secretaria de Ações Afirmativas e Diversidades); Jeferson Rodrigues, enfermeiro especialista em saúde mental (Departamento de Enfermagem) e Lucas Emmanoel Cardoso de Oliveira, psicólogo (Centro de Ciências Rurais). Também colaboram com o projeto a assistente social da DIS/Prodegesp Tuany Lohn Cardoso e a doutoranda psicóloga Juliane Cantele.

Mais informações sobre a pesquisa pelo e-mail acolheufsc@contato.ufsc.br.

Compartilhar