Paulo Guedes afirma que na universidade pública há “maconha e sexo para crianças”

Em série de declarações polêmicas, ministro da Economia atacou também SUS e setor público

Durante reunião do Conselho de Saúde, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deu declarações que vêm gerando muitas críticas. Ele chegou a dizer que o coronavírus foi “inventado” pela China e que a vacina  chinesa é “menos eficiente” do que as fabricadas nos Estados Unidos. O ministro também atacou o setor público, o SUS e as universidades públicas. A reunião pública teve transmissão pelo Facebook, mas o vídeo foi apagado, sob justificativa de um problema técnico no celular do Ministério da Saúde*.

Em artigo no site UOL, o jornalista Reinaldo Azevedo comentou os ataques do ministro às universidades:

“O ministro Paulo Guedes, da Economia, estava inspirado nesta terça. Ele resolveu atacar a China, diminuir os investimentos no SUS, mandando o pobre para o Einstein com um voucher, e, para demonstrar que tem horizontes largos, refletir também sobre a educação pública. Sobre esse último setor, afirmou: “Hoje 77% dos jovens em universidades brasileiras estão no setor privado. O setor público não tinha capacidade de acompanhar o ritmo”.

E como o doutor enxerga as universidades públicas? Serviriam apenas para ensinar Paulo Freire e “sexo para crianças de cinco anos”. Apontou ainda a circulação livre de drogas nessas instituições. Qualquer semelhança com o discurso da extrema direita bolsonarista não é mera coincidência. E, como se sabe, o ministro tentou acabar também com as verbas constitucionalmente definidas para a Educação.

Não tenho, obviamente, nada contra a existência de um sistema privado de ensino superior. Desde que preste. Aliás, o ProUni é, à sua maneira, uma espécie de voucher para a educação, certo? A questão é saber que tipo de ensino prosperou nesse tempo. Mas isso fica para outro artigo. O ponto aqui é outro. Essa fixação em Paulo Freire é fruto apenas da mais arrematada ignorância. Duvido que Guedes saiba sobre o quê e sobre quem está falando.

A propósito: que instituição promove sexo para crianças de cinco anos? O ministro está obrigado a dizer para que se tomem as devidas providências. Recomendo que se mantenham livros de Freud longe de Guedes, ou ele manda chamar a polícia. Numa leitura muito “guediana”, é possível sustentar que “aquele cara” trata do sexo dos bebês…”

:::: Leia mais em: UOL.

* Com informações do Poder 360.


Compartilhar