‘O MEC não ofereceu projeto ou perspectiva aos estudantes na pandemia’, critica primeira presidente negra eleita da UNE

Bruna Brelaz, de 26 anos, cita a ampliação no número de bolsas ofertadas pelo Prouni e a mobilização pelo impeachment como dois dos principais focos da nova gestão, destaca o jornal O Globo

Oitenta e dois anos após sua fundação, a União Nacional dos Estudantes (UNE) elegeu pela primeira vez uma presidente negra. Bruna Brelaz, 26 anos, foi escolhida no último domingo para liderar a instituição durante o próximo ano. Em meio à crise política e sanitária causada pela epidemia de Covid-19, a líder estudantil classifica como “desastrosa” a condução do Ministério da Educação (MEC) durante a pandemia e diz estar especialmente preocupada com o aumento da evasão de estudantes no ensino superior.

Entre os principais focos da nova gestão, a estudante do curso de Direito cita o combate à redução do orçamento das universidades públicas e a ampliação do número de bolsas ofertadas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni). A líder estudantil diz ainda que a estratégia para viabilizar essas pautas é tirar o presidente Jair Bolsonaro do poder.

Um levantamento feito pela Frente da Educação na Câmara dos Deputados mostrou que houve uma redução de 29,5% no número de bolsas ofertadas pelo ProUni em relação ao ano passado. Em 2021, foram oferecidas 296,3 mil vagas no programa, contra 420,3 mil no ano passado.

No caso das instituições públicas, levantamento feito pelo GLOBO em junho mostrou que quase metade das 69 universidades federais do país afirmaram não conseguirem manter as atividades até o fim do ano com o orçamento previsto após os cortes anunciados pelo governo.

Leia na íntegra: O Globo

Compartilhar