Mestres e doutores querem ficar no País, mas não encontram espaço

Evento virtual “Fico ou não Fico. Eis a questão. Jovens Cientistas no Brasil de hoje”, promovido pela SBPC, apontou que Brasil perde mão de obra qualificada e compromete o futuro, afirma o Jornal da Ciência

O Brasil tem hoje um número estimado de mais de seis mil pesquisadores fora do país e muitos deles gostariam de voltar, porém não encontram incentivo, nem para tocar suas pesquisas, nem perspectivas de inserção no mercado de trabalho local.

A situação foi debatida durante o painel “Fico ou Não Fico? Eis a questão. Jovens Cientistas no Brasil de hoje”, realizado segunda-feira pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

O evento marcou a abertura pela SBPC das comemorações do bicentenário da Independência. Marcio de Miranda Santos, diretor-presidente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), apresentou resultados de um estudo realizado pela instituição sobre uma amostra de 1.135.674 produções científicas de autores brasileiros encontradas na base Web of Science, referentes ao período de janeiro de 2015 a agosto de 2021. O objetivo é identificar a evasão de mestres e doutores brasileiros.

Ao final da análise foram encontrados cerca de 6,7 mil pesquisadores afiliados no exterior em trabalhos de coautoria que provavelmente saíram do Brasil nesse período e ainda estão fora, revelou Santos.

Leia na íntegra: Jornal da Ciência

Compartilhar