Funcionários públicos aumentam pressão por reajuste salarial

Governo deve decidir sobre o tema nos próximos dias, porque não pode dar aumento nos 6 meses anteriores às eleições

A União tem até o fim da semana para decidir sobre o aumento salarial das forças de segurança e dos demais funcionários públicos federais, porque a legislação proíbe reajustes nos 6 meses que antecedem as eleições. Por isso, o funcionalismo pressionará o governo nos próximos dias para cobrar o reajuste.

Trabalhadores de diversos setores da administração pública federal preparam paralisações e protestos para cobrar a recomposição da inflação acumulada no governo de Jair Bolsonaro (PL) nesta semana. O movimento pede um aumento salarial de 19,99% e já afeta a publicação de indicadores do BC (Banco Central).

O BC atrasou a publicação do Boletim Focus pela 2ª semana seguida nesta 2ª (28.mar). O boletim, que traz as projeções do mercado financeiro para a economia e normalmente sai por volta das 8h25 da 2ª feira, foi publicado só às 10h. Além disso, o BC adiou a divulgação das notas econômico-financeiras de fevereiro previstas para esta semana.

Nesta terça-feira, dia 29, são os funcionários da Secretaria de Orçamento Federal que prometem paralisar suas atividades. Já os funcionários do Tesouro Nacional farão uma assembleia para discutir o início de uma operação-padrão e a entrega de cargos de comissão a partir de quarta-feira, dia 30. Assim como acontece no BC, o movimento do Tesouro Nacional pode levar ao atraso de dados importantes para o mercado.

Leia na íntegra: Poder 360

Compartilhar