Maia diz que Salles e Weintraub radicalizaram demais e perderam condição de interlocução

“Como é que faz para o investidor olhar que o Brasil tem um ministro da Educação desse? Então esse país não tem futuro”, disse Maia em evento do banco Credit Suisse

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quarta-feira que os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Educação, Abraham Weintraub,  radicalizaram demais e perderam a condição de interlocução, fragilizando a posição do governo do presidente Jair Bolsonaro em duas áreas que avalia como fundamentais.

Em evento do banco Credit Suisse em São Paulo, Maia afirmou que o crescimento econômico pode ser menor que o esperado neste ano por causa da questão ambiental e que a atuação de Weintraub no MEC manda um sinal ruim para investidores.

“Eu não sei como o governo vai fazer com o seu ministro do Meio Ambiente. Acho que, de alguma forma, ele perdeu as condições de ser o interlocutor. Acho que ele radicalizou demais, não sei se combinado com o presidente ou não. A mesma coisa com o Ministério da Educação”, disse Maia.

O presidente da Câmara afirmou, ainda, que Weintraub pode desestimular investidores que desejam apostar no Brasil.

“Como é que faz para o investidor olhar que o Brasil tem um ministro da Educação desse? Então esse país não tem futuro. E parece que tem um passado ruim, porque conseguiu fazer um cara desse ministro da Educação. Que construção que nós tivemos”, disparou.

Maia disse que tem escutado tanto de investidores quanto de representantes de Parlamentos estrangeiros com quem tem conversado preocupação com a questão ambiental no Brasil. Ele, no entanto, centrou fogo principalmente em Weintraub.

“Ele ainda critica o PT de forma injusta, porque como ele trabalhava no banco que o Banco do Brasil comprou 49% quando ia quebrar, o Votorantim, quem garantiu o emprego dele em 2009 foi o PT”,  ironizou o presidente da Câmara.

O Globo

Compartilhar