Secretaria de São Paulo abre cadastro para vacinar profissionais de educação

Para receber vacina contra a Covid-19, professores e demais trabalhadores precisarão obrigatoriamente fazer a inscrição; Primeira etapa de imunização vai contemplar profissionais acima de 47 anos

Professores, diretores, merendeiras, faxineiras, cuidadores e demais profissionais que trabalham na área da educação, no estado de São Paulo, podem preencher um cadastro para tomar a vacina contra covid-19. As regras foram divulgadas no início da tarde da quinta-feira (1º) por Rossieli Soares, o secretário de Educação do governo de João Doria (PSDB).

A primeira etapa da vacinação contra a covid-19 para profissionais da educação tem início no dia 12 de abril. Nessa etapa serão vacinados servidores e funcionários com idade a partir de 47 anos. A expectativa do governo é aplicar 350 mil doses para imunizar esses profissionais que trabalham desde a creche até o ensino médio, nas redes estadual, municipal ou privada do estado.

Os profissionais beneficiados deverão estar com atividades ativas na escola —quem estiver afastado, por exemplo, para fazer um curso de aperfeiçoamento, não será imunizado.

“Antes mesmo da divulgação do site, já tínhamos pessoas cadastradas. Pedimos que todas as pessoas se cadastrem, até as que têm menos de 47 anos e não devem ser vacinadas nesta primeira etapa”, disse Soares.

No cadastro, os profissionais devem preencher dados como número do CPF, nome completo e e-mail. Após essa etapa, ele deverá receber um link por e-mail e validá-lo. Depois disso, o profissional vai precisar confirmar seus dados pessoais e indicar o nome da escola, a rede de ensino, o  município e cargo ocupado. Para evitar fraudes, será preciso anexar os holerites dos meses de janeiro e fevereiro. Na sequência, o cadastro será analisado e, se validado, o profissional vai receber, em seu e-mail, o comprovante VacinaJá Educação, com um QRCode para verificação de autenticidade.

No momento da vacinação, o profissional da educação deverá apresentar o comprovante VacinaJá Educação, RG e CPF para conferência dos dados pelo agente de saúde. Caso o usuário não apresente o comprovante VacinaJá Educação, ou o seu número de CPF não conste no comprovante apresentado, não poderá ser imunizado.

RETORNO PRESENCIAL

A inclusão dos professores na vacinação contra a Covid-19 é uma reivindicação da categoria, que tem tido receio em voltar à sala de aula no pior momento da pandemia.

De acordo com a secretaria da Educação, foram registrados ao menos 4.084 casos confirmados de Covid-19 em escolas paulistas até o dia 6 de março —dado mais recente da pasta.

Desse total, 2.526 são servidores/funcionários e 1.558 são estudantes. A maioria das contaminações ocorreu em escolas estaduais: 2.418. Em seguida estão os colégios privados (1.534) e os municipais (132).

Leia na íntegra: Folha de S. Paulo / Agência Brasil

Compartilhar