Universidades federais divulgam balanço de combate à pandemia

Nos 50 hospitais universitários foram oferecidos mais de 2 mil leitos

As universidades federais foram responsáveis pela produção de pelo menos 691.471 litros de álcool em gel e álcool líquido; 651.254 máscaras de proteção facial; 515.079 escudos faciais (face shields), além de serem responsáveis pela realização de 661.839 exames de testagem para a covid-19 em 2020. Ao todo, 85,5 milhões de pessoas foram impactadas por estas e outras ações conduzidas pelas instituições federais no ano passado, o que corresponde a cerca de 40% da população brasileira.

Os dados foram apresentados nesta segunda (31) pelo Colégio de Gestores de Comunicação das Universidades Federais (Cogecom) como parte da pesquisa Conhecimento e cidadania: ações de enfrentamento da covid-19 realizadas pelas Instituições Federais de Ensino Superior(IFES) 2020, em transmissão online.

“Acho fundamental a apresentação desses resultados. Eles mostram, em números, mostram concretamente o que agente fez, quantos projetos de extensão, projetos de pesquisa, defesa de teses e dissertações, toda a gama de ações que as universidades fazem no dia a dia, apesar da pandemia, apesar da suspensão das atividades presenciais”, diz a reitora da Universidade Federal do Sul da Bahia, Joana Angélica Guimarães, que é 2º vice-presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior.

De todos os 29.451 projetos de extensão conduzidos no ano passado, 2.487 eram diretamente relacionados à pandemia. Dentre os 73.825 projetos de pesquisa registrados, 2.015 estão relacionados de alguma forma à pandemia. Foram realizadas também mais de 1 mil ações voluntárias, em diversas áreas.

Joana diz que todas essas ações evidenciam que, apesar de dificuldades orçamentárias, as instituições seguem cumprindo o papel perante a sociedade. “A universidade precisa de investimento para trabalhar de maneira plena, mas isso mostra o esforço que a universidade faz para manter as atividades e atender às demandas e expectativas da sociedade brasileira”, diz.

Logo após a sanção do Orçamento de 2021, o governo anunciou o contingenciamento de R$ 9,2 bilhões e o veto de R$ 19,8 bilhões em gastos.

Nesse processo, o Ministério da Educação teve cerca de R$ 3,5 bilhões cortados: R$ 2,73 bilhões bloqueados temporariamente e R$ 1,2 bilhão vetados. Quase a totalidade dos cortes, na ocasião, referia-se a verbas para o ensino superior, com a alegação de que as universidades não estavam funcionando presencialmente durante a pandemia de covid-19.

No último dia 14, o Ministério da Economia anunciou a liberação de R$ 2,61 bilhões para essas instituições de ensino. Os recursos ajudarão a recompor o orçamento de gastos discricionários, como contas de luz, telefone, internet, água, material de escritório, combustíveis, manutenção de prédios e de equipamentos. No caso das universidades, o pagamento de bolsas também é considerado despesa discricionária.

Leia na íntegra: Agência Brasil

Compartilhar