Se cair veto do absorvente, saúde e educação perdem recurso, diz Bolsonaro

Para o presidente, medida serviu como ‘troféu político’ para a oposição

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo, 10, que vai cortar dinheiro das áreas da saúde e da educação se o Congresso Nacional derrubar o veto à distribuição gratuita de absorventes a mulheres e estudantes de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade. Ao conversar com populares em Guarujá (SP), onde passa o feriado esticado de 12 de Outubro, o chefe do Executivo disse que a medida serviu como “troféu político” da oposição e afirmou que ficou parecendo um “malvadão” ao barrar a distribuição do item de higiene pessoal.

“A deputada, autora do projeto, ela sabe – a inteligência você pode usar para o bem e para o mal — que, quando você tem um projeto com despesas, tem de apresentar a fonte de custeio. Se eu sancionar, estou incurso em crime de responsabilidade, a processo de impeachment. Agora, nessa linha de que tudo é fácil, ela podia apresentar um projeto passando o salário mínimo para R$ 5 mil, apresenta”, provocou Bolsonaro, em referência à autora da proposta vetada, a deputada federal Marília Arraes (PT-PE).

De acordo com Bolsonaro, as estimativas dos custos com a adoção da medida — R$ 100 milhões – não são realistas. “É muito mais. Não é a cegonha que vai levar (os itens de higiene), alguém tem de levar, tem de ter logística. Se o Congresso derrubar o veto do absorvente, vou tirar dinheiro da saúde e da educação. Vai ter de tirar de um lugar”, insistiu.

Leia na íntegra: Veja

Compartilhar