Precarização do mercado de trabalho e alto custo dos alimentos se intensificaram antes mesmo da pandemia

Documento do DIEESE ressalta que o cenário desfavorável está relacionado com o projeto econômico e político implementado pelo governo

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) lançou um Boletim Especial neste sábado (1), com dados sobre a precarização do mercado de trabalho e o aumento do custo dos alimentos em 2020. O documento “Crise dentro da crise: pandemia
agrava longa depressão brasileira’, indica que o cenário desfavorável no país está relacionado com o projeto econômico e político implementado pelo governo após 2016, que incluem as reformas trabalhista, previdenciária e do teto de gastos. Portanto, a crise teve início antes mesmo da pandemia.

Conforme o texto, as medidas adotadas com o pretexto de alavancar a economia brasileira tiveram o resultado oposto e levaram a uma precarização generalizada na área, aumentando, por exemplo, a informalidade e o desemprego. Situação que se agravou ainda mais com o surgimento do coronavírus.

“Em relação aos preços, o descontrole ocorre devido a diversas medidas executadas desde 2016, como: a redução dos estoques reguladores da Conab (Companhia Nacional de Abastecimentos); o fim do subsídio do gás e da política de valorização do salário mínimo; e o aumento das exportações de alimentos”, destaca um trecho do documento. 

Segundo o DIEESE, com o final da política de valorização do salário mínimo e com o aumento dos preços dos alimentos, o piso atualmente mal dá para os alimentos básicos. As sucessivas altas nos preços dos alimentos pode ser explicada pela priorização do governo brasileiro em exportar grande partes das commodities produzidas no país, o que acaba gerando um esvaziamento da oferta interna. 

“A drástica redução das políticas de fortalecimento da agricultura familiar, responsável pela produção de mais de 70% dos alimentos consumidos no país, e o crescimento da exportação de itens alimentícios como arroz, carne bovina, óleo e grão de soja, milho, café e açúcar, impulsionado pela desvalorização do real diante do dólar, tiveram impactos na oferta desses produtos no Brasil em 2020”, conclui. 

Leia na íntegra o Boletim: Crise dentro da crise: pandemia agrava longa depressão brasileira.

Apufsc lança campanha por doações

Considerando todo esse contexto no país, a Apufsc-Sindical lançou na última quinta-feira (29) a campanha “Apufsc Solidária – A vacina que combate a fome é a solidariedade”. O objetivo é arrecadar alimentos e agasalhos que serão destinados às famílias em vulnerabilidade social de Santa Catarina. Para participar, basta levar alimentos e agasalhos a uma das sedes da Apufsc pelo Estado (em algumas sedes, é necessário agendamento prévio). Confira aqui mais informações sobre a iniciativa.

Compartilhar