“Recursos que temos hoje terminarão em novembro”, afirma novo reitor da UFSC em coletiva

Irineu Manoel de Souza e a vice-reitora, Joana Célia dos Passos, falaram sobre os cortes no orçamento, problemas estruturais identificados em dossiê da Apufsc e outras questões prioritárias para a nova gestão

O reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Irineu Manoel de Souza, nomeado nesta terça-feira, dia 5, e a vice-reitora Joana Célia dos Passos, receberam a imprensa para entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, na Sala dos Conselhos, na Reitoria, e falaram sobre as questões prioritárias para a nova gestão.

Questionado sobre os recentes cortes de recursos orçamentários, que somam mais de R$ 12 milhões, Irineu respondeu que estão sendo estudadas alternativas para proteger o que já estava planejado em relação a bolsas, Restaurante Universitário e moradia estudantil, de modo que os cortes não impactem nos auxílios. No entanto, o reitor também vê com dificuldade novos cortes de contratos de terceirizados. “Os recursos que temos hoje terminarão em novembro”, revelou Irineu.

Ele explicou que, para tentar contornar a situação, duas frentes de trabalho estão sendo colocadas em prática. “Uma delas é política”, disse. Nesse sentido, a nova Reitoria busca dialogar com parlamentares catarinenses para que o Congresso faça alterações no orçamento, liberando assim novos recursos para a universidade.

“Paralelamente, estamos estudando alternativas”, complementou o reitor sobre em que áreas os cortes serão feitos na UFSC. Além de analisar que contratos poderão ser reduzidos, a nova gestão pretende “modificar estruturas para reduzir gastos, como de luz e água”, e “aproveitar o potencial que existe dentro da universidade” para gerar economia. Para Irineu, é fundamental que as estruturas administrativa e acadêmica dialoguem em busca de soluções.

Novo reitor da UFSC, Irineu Manoel de Souza (Fotos: Erick de Souza/Apufsc)

Demandas dos docentes

A nova Reitoria foi questionada sobre o dossiê elaborado pela Apufsc junto aos docentes para identificar as condições de trabalho e o funcionamento geral da UFSC, que contou com a contribuição de representantes de 21 departamentos de ensino. O levantamento permite concluir que as reclamações são muito semelhantes: dizem respeito principalmente à falta de manutenção física e de equipamentos. 

“Temos uma dificuldade muito grande em função do financiamento da universidade, e também para colocar soluções em prática rapidamente”, respondeu Irineu. A vice-reitora complementou: “Estamos fazendo a reestruturação da própria prefeitura do campus para resolver essas questões estruturais. Urge a solução”, enfatizou Joana.

A Diretoria da Apufsc solicitará uma audiência com a nova Reitoria para entregar formalmente o dossiê.

Centro de Convivência

Irineu e Joana também foram perguntados sobre a proposta enviada pela Apufsc à gestão anterior de revitalização do Centro de Convivência. Essa proposta foi construída pela Apufsc, Diretório Central dos Estudantes Luís Travassos (DCE) e a Associação de Pós-Graduandos da UFSC (APG), e elaborado junto com o Laboratório de Projetos do Departamento de Arquitetura da UFSC. Três ofícios foram enviados à gestão anterior entre setembro de 2021 e fevereiro de 2022 sobre a viabilidade da obra, mas não houve resposta.

O novo reitor respondeu que conhece a proposta informalmente e vai checar se o projeto está no gabinete da Reitoria pra que possa ser avaliado.

Preocupação com a permanência estudantil

Joana Célia dos Passos e Irineu Manoel de Souza (Fotos: Erick de Souza/Apufsc)

Um dos principais focos da nova gestão da UFSC é a permanência de estudantes na universidade. A ampliação da política de permanência e a criação da Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas estão entre os planos. “Vamos ter uma estrutura para atender a um grupo grande de estudantes, que representam mais de 50%. Precisamos aproximar a universidade da sociedade e pensar nas dimensões acadêmicas, social e política”, disse Irineu.

Joana complementou dizendo que pretendem fazer uma “gestão que acolha as diferenças” e afirmou: “precisamos assegurar a permanência dessas pessoas”.

Gestão

Ainda em junho, a Reitoria eleita divulgou os nomes que passam a compor a nova gestão. A vice-reitora ressaltou que “essa é a primeira gestão com paridade de gênero no primeiro escalão“. A partir de agora, a UFSC passa a contar com oito Pró-Reitorias e seis Secretarias. Estruturas administrativas ainda podem ser alteradas.

Stefani Ceolla
Imprensa Apufsc

Compartilhar