Em 2022, questões salariais, retorno ao presencial e consulta à reitoria estarão entre pautas da Apufsc

As principais reivindicações do Sindicato incluirão também participação em lutas nacionais, como contra a PEC 32

O ano que se inicia será de muitas mobilizações e desafios para a Apufsc, para os professores e para toda a comunidade universitária. “O ano de 2022 promete ser intenso em atividades nas lutas sindicais. Os problemas se acumulam e se agravam, especialmente porque temos um governo que desvaloriza a educação pública, as universidades federais, a ciência e o trabalho. Esperamos que o país volte a página e eleja um governo que valorize o serviço público”, reforça o presidente da Apufsc, Bebeto Marques.

Ele destaca que diretoria do Sindicato tem buscado informar os docentes sobre a pauta de lutas e as diversas mobilizações. “Temos contado com a colaboração de muitos, especialmente via o CR e nosso CF”. Mas há grandes desafios. “Tem crescido o número de filiados e dos serviços que prestamos a eles. Mas um sindicato só é forte se seus filiados se envolverem nas discussões e nas definições das ações a serem empreendidas. Nesse sentido precisamos estar mais próximos aos docentes mais novos na carreira, eles são os que mais sofrem com a falta de condições de trabalho e de corte no financiamento à pesquisa”, reitera Bebeto.

Confira, abaixo, alguns temas importantes que, na visão do Sindicato, vão demandar atenção e envolvimento dos/as docentes.

Retorno às atividades presenciais
O Conselho Universitário (CUn) da UFSC aprovou em novembro os calendários acadêmicos da graduação e da pós-graduação para o ano letivo de 2022, com a volta das aulas em forma presencial, a partir do dia 18 de abril. A Apufsc acompanhará de perto esse processo, avaliando especialmente as condições sanitárias e materiais adequadas para isso.
Saiba mais sobre o assunto.

Consulta para a eleição da reitoria
A Apufsc integra a Comissão Eleitoral Representativa das Entidades da Universidade Federal de Santa Catarina (COMELEUFSC), que irá organizar, coordenar e fiscalizar o processo de consulta à comunidade acadêmica para a reitoria da UFSC em 2022. A consulta pública resulta num parecer apresentado pela comissão ao Conselho Universitário (CUn), responsável por compor a lista tríplice encaminhada ao Ministério da Educação (MEC). Além da Apufsc, participam da Comissão Sintufsc, APG e DCE.
Saiba mais sobre o assunto.

Questão salarial
A Apufsc também vai trabalhar pelo maior reconhecimento dos professores da UFSC, lutando pela questão salarial dos docentes, que não recebem reajustes há anos.

Filiação Nacional
Depois de vários debates, textos de opinião e boletins informativos, haverá a conclusão do processo de votação, iniciado no final de 2018, sobre a filiação da Apufsc ou ao Andes-SN ou ao Proifes-Federação. Na primeira etapa, ficou definido que o Sindicato se filiaria a uma entidade nacional. No início de 2022, será a hora de ir às “urnas” para decidir a qual dessas duas entidades a Apufsc vai se vincular.
Saiba mais sobre o tema em página especial da Apufsc.

Pautas Nacionais: Orçamento das universidades
As universidades e a ciência brasileira vêm sofrendo duros golpes no orçamento. Ao invés de sinalizar a ampliação dos investimentos em educação e ciência, especialmente em um período de pandemia, o Congresso Nacional sinalizou cortar mais recursos. Nas universidades, o orçamento discricionário das federais proposto na PLOA 2022 é de R$ 5,134 bilhões. Este valor é 15,3% menor do que os R$ 6,061 bilhões de 2019, em uma queda que só vem se acentuando desde 2014. Em 2022, sindicatos e entidades nacionais da área de educação e ciência precisam reforçar as reivindicações, para garantir o investimento a setores tão fundamentais para o país.
Outras informações sobre o assunto.

Pautas Nacionais: Reforma Administrativa
A PEC 32, que prop˜õe um verdadeiro desmonte ao serviço público e a destruição dos direitos dos servidores, foi aprovada por comissão especial em setembro. Mas, diante dos protestos, a pauta está emperrada na Câmara dos Deputados desde então. O texto ainda precisa ser votado no plenário das duas Casas do Congresso Nacional, em dois turnos e ter o apoio de, pelo menos, três quintos dos parlamentares. Porém, a PEC 32 não foi enterrada e ainda existe chance do texto voltar ao debate e ir à votação a qualquer momento. Por isso, é importante que todo o país se mobilize para barrar essa proposta que atinge diretamente os serviços de saúde e educação.
Pressione os parlamentares catarinenses contra a PEC 32 e participe da nossa campanha

Imprensa Apufsc

Compartilhar